segunda-feira, 29 de junho de 2015

Cheirar e lamber cu e receber cocô e peido não significa humilhação ou dominação



O post de hoje é um protesto às produtoras de filme de scat, fart, ass sniffing (ou ass smelling) e ass licking. A ampla maioria destes filmes trata dos referidos temas com o viés da dominação, da humilhação.

Não importa se é homem recebendo cocô de homem, mulher cheirando o cu de outra mulher, homem recebendo peido de mulher ou mulher lambendo o cu de homem, só para citar todos os gêneros. E lembro que, cada um destes gêneros, pode ser feito com casais heterossexuais ou homossexuais (gays, lésbicas e etc).

Enfim. O que me entristece é que 95% destes filmes tratam scat, fart, ass sniffing e ass licking como um meio de uma pessoa dominar ou humilhar outra. Fico chateado, pois percebo que quase não há filmes para um telespectador como eu, que curte scat, fart, ass sniffing e ass licking sem dominação e sim com intimidade.

Gosto de ver uma mulher cheirando o cu da outra com safadeza, com intimidade, com diálogos legais, nas quais as duas tenham tesão e se divirtam e não uma pessoa subjugando a outra, tentando obrigá-la a cheirar peido, a receber cocô, como uma forma de punição, com palavras de humilhação, de ordem.

Nada disso. Curto os gêneros acima citados com doçura. E não vejo isso com caras e nem com garotas. Por isso, deixo aqui minha indignação e a pergunta a essas produtoras: por que vocês tratam esses temas como dominação e humilhação?

Scat, fart, ass licking e ass sniffing podem ser feitos com doçura, com bons diálogos, com boas histórias, com safadeza. É isso que eu gostaria de ver e, por mais que eu pesquise, acho apenas um outro vídeo decente nesse sentido. Meu apelo é para que este viés mude. Tenho certeza de que é possível enxergar esses gêneros de outra forma.

Já não basta o scat ser visto como um fetiche repugnante até por fetichistas e praticantes de BDSM... Ainda por cima, tem que ser passado com a imagem da humilhação? Não curto. E peço por mais filmes de scat e demais temas com doçura e safadeza. Com gozo e não com dor. Mais amor, por favor! E você, amigo leitor? O que prefere? Tais gêneros com humilhação e dominação ou com doçura? Um abraço e um cheiro no cu! Não esqueçam de add no skype: amocheirarmerda@hotmail.com

quinta-feira, 25 de junho de 2015

Os diálogos na hora do scat



Outro dia, perguntei em minha rede social, o que você gostaria de deizer ao seu parceiro ou sua parceira na hora do scat. E quis saber também o que você gostaria de ouvir. Para mim, o scat significa uma intimidade tão grande que até algumas palavras que não pronunciamos sempre podem fazer a diferença.

Assim, quando eu pratico scat, não posso deixar de falar algumas coisas como:

- To doido para cheirar sua bunda para ver se elá tá fedida como eu gosto. Quero muito sentir o cheiro do seu cu fedido.
- Peida na minha cara, peida! Peida fedido!
- Agora quero ver o cocô saindo do seu cu. To maluco pra sentir seu fedô!

Acho que palavras e frases assim ajudam o scat a ficar ainda mais gostoso. E você, o que gostaria de ouvir ou falar no scat? Um abraço e um cheiro no cu! Não esqueçam de add no skype: amocheirarmerda@hotmail.com

quarta-feira, 24 de junho de 2015

Alguns sites de scat atuais - em 24.06.2015


 Amigos, recebi de uma pessoa uma lista compilada de sites que têm alguns vídeos de scat para o deleite de quem ama este fetiche como eu. Conheço alguns e farei breves comentários. Sobre os que não conheço, não vou opinar, mas vocês mesmos podem testar e aprovar ou não.

A lista segue abaixo:

http://motherless.com/
http://thisvid.com/
https://bangextreme.se/
http://www.eroprofile.com/
http://www.nudevista.com/
http://luxuretv.com/
http://www.heavy-r.com/
http://www.xpee.com/
http://www.pornvideos.rs/
http://www.dirtyonline.com/
http://sexscat.net/
http://poopeegirls.com/
http://perfectscat.com/
http://femdom-fetish-tube.com/
http://www.shittytube.com/
http://www.dirtyshack.com/
http://www.scatville.com/
http://scatrina.com/
http://www.kinkyscat.com/
http://shockingporn.info/
http://69scat.com/
http://www.scatsextube.net/
http://www.shitsex.org/
http://www.scat4you.com/
http://www.scatcorp.com/
http://www.scattoilet.com/
http://www.scatworld.net/
http://www.filthysextube.com/
http://kaviar-pornos.net/
http://scat-tube.net/
http://scatporntube.net/
http://my.brownhanky.com/ (pago - apenas scat gay)


Alguns sites são apenas mostradores de vídeos. Ou seja, ao clicar nos vídeos, redirecionam-no para outros sites já conhecidos. É possível baixar vídeos de todos eles usando o programa Real Player, que permite que você faça download de qualquer site que tenha os vídeos armazenados.

Todos também possuem mecanismos simples de busca para encontrar os vídeos, como usar as palavras "scat", "fart", "smell" (ou smelling), "sniff" (ou sniffing), "asslicking", etc.

Olhem com calma, fucem, pesquisem. Qualquer pergunta ou dúvida sobre os downloads ou mesmo sobre filmes dos sites, estou à disposição pelo skype amocheirarmerda@hotmail.com ou pelo Facebook: https://www.facebook.com/leon.scat! Bom divertimento! E um cheiro no cu!

quarta-feira, 29 de abril de 2015

Você já marcou encontro de scat e levou cano? Bem-vindo ao clube!


Encontrar parceiras e parceiros para scat parece ser algo cada vez mais raro hoje em dia. Deveria ser exatamente o contrário. Com tantas redes sociais, celulares e meios de se comunicar, só não acha a tampa certa da panela quem não quer.

Mas, assim como em todos os ramos da vida, existem os corretos e honestos e os curiosos e picaretas. E no scat não é diferente. Algumas vezes, já marquei encontros e tomei canos. A pessoa simplesmente não foi, não avisou e sumiu. Foi sumariamente excluído de qualquer contato comigo.

Pisou na bola uma vez, nesse grau, já era. O pior é que isso é muito comum. Também acontece nas redes sociais, no skype e em outros meios. Tem gente que acha que está preparada para uma experiência com scat mas, quando a coisa fica mais séria, cai fora.

O que é uma pena. Já é muito difícil achar quem realmente goste da prática. E ainda aparecem essas pessoas babacas para tomarem seu tempo com papo furado. Amigos, sejamos práticos. Gosta? Quer curtir? Mora perto? Marque um encontro, apareça e divirta-se. Não curte? Curte somente virtual? Seja honesto e avise. Ninguém tem tempo hoje para ficar desperdiçando. A verdade é sempre a melhor opção. Um cheiro no cu e um abraço.

Mantenham contato no skype: amocheirarmerda@hotmail.com

quinta-feira, 2 de abril de 2015

Você pagaria por scat?


Vira e mexe, sempre converso com algumas pessoas sobre scat. Seja pelo Facebook, seja pelo Skype. E algumas delas me dizem que conhecem garotas de programa ou mulheres que não são GP, mas topam fazer scat. Tudo isso, mediante pagamento, é claro.

Sempre que me falam isso, uma inquietação me toma o peito. Você, amigo leitor deste blog, pagaria para ter scat? Eu não! Jamais! E digo por quê. A pessoa que faz scat por dinheiro é porque não gosta de scat, não sente prazer com isso e não goza com scat.

Quem ama scat, não o faz por dinheiro e sim para gozar muito. Logo, se um homem ou uma mulher dizem que fazem scat por algum tipo de compensação, é porque não sentem prazer. Nessa prática sexual, o prazer e orgasmo são as principais recompensas para o scater. Não é pelo dinheiro e sim pela delícia que é fazer scat que queremos esta prática.

Fiz uma vez scat com uma Garota de Programa. Foi péssimo. Cagou pouco e cobrou caro. Scat é para quem gosta, para quem ama, para quem curte e não para quem quer ganhar dinheiro. Praticar scat tem todo um ritual, jogo de palavras, meios de deixar o receptor e o doador felizes.

É diferente de pagar por sexo convencional. Obviamente, também não tem carinho e, TODAS as vezes, nenhum tesão por parte de uma GP. Ainda assim, se o cara curte colocar o pinto na xana, ele vai gostar.

Com scat não é assim. Ou se tem muito tesão ao fazer scat, ou não rola. O scat requer envolvimento, paixão, tesão real e realização por meio do prazer. Por isso, agradeço aos amigos que me oferecem possíveis GPs ou moças que fazem pelo dinheiro, mas NÃO tenho interesse. Irei sempre em busca do scat pelo prazer, pela felicidade, pela gozada. E não por recompensas materiais. Um forte abraço.

segunda-feira, 9 de março de 2015

As imaginações de um scater


Amigo leitor. Como você bem sabe, é extremamente difícil um scater achar um parceiro ou uma parceira séria que compartilhe desta sexualidade em particular. Logo, realizar os íntimos desejos é tarefa das mais árduas e complicadas. Por isso, além das tradicionais punhetas que batemos assistindo aos vídeos que encontramos, nós, scaters, também imaginamos muita coisa somente ao olhar para as caras das pessoas.

Por exemplo, para quem gosta de mulher, como eu, ao ver uma garota bonita, imagino como é seu cocô, qual a expressão facial quando "faz força" para o cocô sair, o cheiro, como limpa a bunda (se em pé ou sentada mesmo), se joga o papel na privada (atitude antiambiental) ou no cesto, etc.

Eu, por exemplo, ao olhar para a bunda de uma mulher, já imagino o cheiro do seu cuzinho, ainda mais com o movimento do andar neste calor. Imagino se está suadinho, lisinho... Por cima da calça, penso como seria abrir sua bunda para ver o cu ali escondido.

Não tem como não imaginar isso. É impossível um scater olhar para uma bunda sem dar asas ao seu cérebro para que ele percorra os caminhos dos mais pervertidos pensamentos escatológicos. O cocô é a melhor coisa que poderia sair de um ser humano.

Tomara que, durante a evolução da espécie humana na Terra, o sistema excretor nunca deixe de existir. Que o corpo nunca perca a capacidade de produzir cocô e levá-lo à parte externa do organismo. Que o cu nunca deixe de ter seu aroma característico e que as pessoas possam evoluir mais na busca de seus desejos, sem autoproibição, sem negação e renegação, sem pudores e sem sexualidades reprimidas.

E que a sociedade também evolua para entender que todos são diferentes entre si. Carlos Drummond disse, certa vez, que todo ser humano é um estranho ímpar. Que as pessoas tenham esse entendimento sem julgar o próximo! Por hoje é isso. Boa imaginação a você! Um cheiro no cu! E entrem em contato comigo pelo skype: amocheirarmerda@hotmail.com.

domingo, 22 de fevereiro de 2015

A psicologia da sexualidade: um olhar sobre o filme "Ninfomaníaca"



Amigo leitor. O post de hoje é longo e profundo, mas vale a pena. Recentemente, assisti a um filme que traduz bem a angústia de uma pessoa que nasce com a sexualidade proibida, ou que é pouco aceita pela sociedade, como uma árvore retorcida que luta contra sua própria natureza.

Todas essas imagens são extraídas do filme. No Volume I, o diretor apenas apresenta a personagem Joe, uma ninfomaníaca. E retrata sua formação. Já no Volume II, a parte psicológica fica mais evidente.


Joe descobriu sua vagina com 2 anos, teve um orgamso espontâneo aos 12 e tornou-se uma viciada em sexo sem, no entanto, sentir prazer ou sentir-se satisfeita. De acordo com uma crítica da internet, "Joe busca a realização na irracionalidade do desejo (que se reinicia após ser satisfeito). Seu maior problema talvez, de fato, resida na não aceitação, pela sociedade, de sua busca ou, até mesmo, na incompreensão de sua sexualidade dentro de uma lógica falocêntrica. Impossível de ser satisfeita em um mundo que não a aceita, nem lhe oferece os meios para sua auto-aceitação, auto-conhecimento e auto-satisfação."

Ou seja, Joe nasce com uma sexualidade tida como proibida ou não aceita socialmente. Assim como o scat. No filme, quando mais velha, seu trabalho é "cobrar" dívidas em nome de um agiota. E, para isso, tortura algumas pessoas até pagarem.

Numa dessas cobranças, ela conhece um pedófilo. E só descobre o segredo dele ao contar uma história e ver sua excitação. Antes, ela tinha tentado todos os fetiches e ele não se excitou. Ela não dialoga diretamente com ele, mas sim, com um confidente, já que a narrativa é ela contando sua história de vida para um intelectual. Reproduzo aqui o diálogo dela com o confidente, Seligman, para poder comentar melhor depois.

Joe (sobre o pedófilo): "Ninguém sabia o segredo dele. Provavelmente, nem ele mesmo. Ele era um homem que tinha conseguido recalcar o próprio desejo, que antes nunca tinha cedido a ele, até que eu o forcei. Ele viveu em negação e nunca havia machucado uma alma. Acho que isso é louvável."

Seligman: "Por mais que eu tente, não consigo encontrar nada louvável na pedofilia."

Joe: "Deve ser porque você pensa em talvez 5% que de fato machucam as crianças. O restante, 95%, nunca vivem as fantasias deles. Pense no sofrimento deles. Sexualidade é a maior força do ser humano. Deve ser angustiante nascer com uma sexualidade proibida. O pedófilo que consegue passar pela vida com a vergonha do próprio desejo, sem nunca agir sobre ele, merece uma maldita medalha. Eu vi um homem que carregava a mesma cruz que eu. A solidão. Ambos éramos rejeitados sexuais."



As frases retratam exatamente o que um scater de nascença sente. O scater que vem de berço, que nasce com essa sexualidade "proibida", vive na angústia. Nesse caso, não é totalmente proibida como a pedofilia, pois esta se trata de crime. O scat não é proibido, mas é execrado pela sociedade.

A angústia é praticamente a mesma. E só 5% conseguem se entregar aos seus desejos e achar pessoas que contribuam para a realização deles. Os 95% restantes não realizam e têm vergonha de admitir que gostam de scat. Seja para parceiros(as), seja para cônjuge ou até mesmo para um amigo íntimo.


É uma vida de negação. De angústia eterna. Justamente com a sexualidade que, de fato, é a maior força do ser humano. Muitos passam pela vida com a vergonha do próprio desejo. Nunca agem sobre ele. Imagine quão reprimido isso é! Uma pessoa assim merece uma medalha, sem dúvida.

E muitos scaters, justamente por isso, também sentem-se sós. E percebem-se como rejeitados sexuais, assim como Joe, a ninfomaníaca e o pedófilo do filme. Só quem tem uma sexualidade diferente, pouco aceita pelos padrões "normais" da sociedade, entende a profundidade que o diretor dinamarquês Lars von Trier empregou nesta obra-prima.

Só quem tem isso que temos, quem sente isso que sentimos, vai entender e se identificar com Ninfomaníaca. É profundo. psicologicamente genial. Explica muito sobre nossa sexualidade. Sobre a sexualidade diferente que temos, como a árvore retorcida do filme que significa nossa alma. Aos amigos que costumam ler este blog, recomendo que assistam. Ambos os volumes, I e II. É um filme europeu. Logo, denso, mais parado.



Mas, depois do que vi, meu conceito mudou. Não posso mais chamar o que tenho de fetiche. Pelo contrário. Scat é minha vida, é minha sexualidade. Nasceu comigo. Está em minha alma. Fetiche é um gosto, uma fantasia. Sexualidade é o que temos dentro de nós, desde que nascemos. Está em nosso DNA. Não existe NADA, absolutamente NADA nesta vida que eu goste mais do que scat.

Ao participar de um grupo de viciadas em sexo, como fazem os alcóolicos anônimos, Joe diz: "Eu sou ninfomaníaca. E amo ser assim." Exatamente como eu, um scater. Sou scater e AMO ser assim. Assistam ao filme e entenderão.

Por hoje é isso! Um cheiro no cu! E entrem em contato comigo pelo skype: amocheirarmerda@hotmail.com.

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Cocô pode ajudar a tratar doenças


Olá, amigos! Hoje não serei eu o autor do post em meu blog. Vou reproduzir uma reportagem divulgada no site G1, sobre cocô. Veja como muitos mitos sobre scat e merda podem cair com a palavra positiva da medicina. Acompanhe o texto.

RIO — Nos EUA, é comum as pessoas receberem pagamento por doações de sangue, plasma, óvulos, sêmen... E por que não, cocô? A organização sem fins lucrativos OpenBiome oferece até US$ 13 mil, cerca de R$ 35 mil, para quem doar fezes que serão usadas para o tratamento de pacientes com infecção causada pela bactéria Clostridium difficile, que causa graves problemas gastrointestinais e, por vezes, é resistente a antibióticos.

Nesses casos, a administração de fezes saudáveis processadas no estômago do paciente — via endoscopia, tubos nasais ou cápsulas — é o tratamento indicado, mas não é fácil encontrar doadores. Para solucionar o problema, a OpenBiome foi fundada em 2013 e, desde então, já entregou cerca de 2 mil tratamentos em 185 hospitais americanos.

Para incentivar a doação, a organização paga US$ 40 por cada amostra de fezes saudáveis, com um bônus de US$ 50 caso o doador se apresente por cinco dias consecutivos. Com isso, é possível conseguir US$ 250 (R$ 677) por semana, que somam US$ 13 mil por ano.

Mas não é tão simples se enquadrar como doador. Não basta ser saudável, é preciso ser extremamente saudável. O procedimento de coleta é simples, semelhante ao realizado para exames, mas o processo de seleção é minucioso. Dos cerca de mil voluntários que já se apresentaram, apenas 4% foram aprovados no extenso questionário médico e análise do material.

— É mais difícil se tornar um doador do que entrar no MIT — brincou Mark Smith, cofundador da OpenBiome, em entrevista ao “Washington Post”.

Smith diz que os poucos doadores selecionados se apresentam, em média, três ou quatro dias por semana. Cada amostra coletada pode tratar três ou quatro pacientes.

— Todo mundo acha muito bom que eles estão ganhando dinheiro fazendo algo tão simples — disse Carolyn Edelstein, cofundadora da organização. — Mas eles também adoram ouvir de nós: “olha, o seu cocô ajudou esta senhora que estava doente há nove anos.

Por hoje é isso! Um cheiro no cu! E entrem em contato comigo pelo skype: amocheirarmerda@hotmail.com.

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

O xixi (ou mijo) também faz parte do scat?


 Sim, faz. Na verdade, há quem separe xixi e cocô mais por causa dos termos. A rigor, quem curte apenas xixi, gosta de piss ou pissing. E quem gosta só de cocô curte mesmo o scat (termo que vem do inglês scatology - escatologia). Shitting e coprofilia também são termos conhecidos.

Considero o envolvimento com excrementos, de modo geral, como escatologia. Logo, para mim, o mijo faz parte do scat. Porém, como disse, há quem separe. Há quem goste só de um ou de outro. Há quem curta ambos.

Quem curte mijo, curte beber, jogar no corpo, reter na boca e beijar o parceiro. Diferentemente do cocô, por ser considerada estéril, a urina não transmite doenças nem carrega vermes. Ou seja, pode ser ingerida sem problemas, como um copo de Guaraná.

O piss tem menos preconceito do que o scat. Não sei exatamente o motivo, mas parece que a urina é mais bem aceita pela sociedade. Talvez pelo cheiro ser menos forte e por, até algumas vezes, ser feita no banheiro, na frente do parceiro, parceira ou cônjuge, sem tantos problemas.

Paciência. Enfim, goste você de xixi, de cocô ou dos dois, divirta-se, pois a vida é muito curta para a gente não aproveitá-la. Por hoje é isso! Um cheiro no cu! E entrem em contato comigo pelo skype: amocheirarmerda@hotmail.com.

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Os vários tipos de scaters


 Os praticantes de scat não são todos iguais nem curtem todos as mesmas coisas. Por isso, vou tentar descrever abaixo algumas categorias de scaters, para facilitar a vida de quem pratica e procura um perfil complementar. Se alguém quiser deixa contatos nos comentários e identificar com qual tipo de scater se parece mais, acho uma boa. Vamos lá!

1) Receptor: só recebe cocô e xixi.

2) Doador ou fornecedor: só doa cocô e xixi.

3) Total flex: doa e recebe de tudo, cocô e xixi.

4) Scater variado: gosta de mais coisas além de cocô e xixi. Eventualmente, curte um cheiro de CC no suvaco, chulé, cuspe ou vômito.

5) Gay ou lésbica: só curte fazer scat com parceiro do mesmo sexo

6) Hétero: só curte fazer scat com parceiro de sexo oposto

7) Bi: curte fazer scat com pessoas de ambos os sexos

8) Light: curte um scat mais soft, só ver a pessoa cagar, por exemplo.

9) Hard: curte um scat mais sofisticado, cheirando, lambendo, esfregando no corpo e, eventualmente, mastigando e engolindo.

10) Solo: quem curte mais ou somente o próprio cocô. Alguns chegam até a sentir nojo do cocô dos outros.

11) Alheio: quem curte mais ou somente o cocô de outra pessoa. Alguns chegam até a sentir nojo do próprio cocô.

12) Voyeur: aquele que só gosta de ver alguém fazendo cocô ou assistir a filmes e cenas de scat. Não gosta da participação direta no scat, nem cheirando, nem lambendo, nem comendo e nem se lambuzando.

13) Virtual: aquele que só gosta de scat pela web cam, sem o contato real com um parceiro ou parceira para a prática. 

Claro que há inúmeras combinações de perfis e variações dentro do scat. É como Neston, lembra? Existem mil maneiras de preparar. Invente a sua! E você? Qual o seu perfil de scater? Por hoje é isso! Um cheiro no cu! E entrem em contato comigo pelo skype: amocheirarmerda@hotmail.com.